IaaS: quando a infraestrutura de TI na cloud alavanca o negócio

Managed hosting: 5 vantagens que deve conhecer
11 Maio, 2017
Chegou a hora de renovar a infraestrutura de TI?
25 Maio, 2017
Cloud

A cloud não é um universo desconhecido para os gestores e as oportunidades que proporciona para a melhoria da gestão são infinitas e, a cada dia que passa, há um sem número de novas capacidades que se podem explorar em proveito dos negócios e das estratégias.

As vantagens de suportar o negócio numa arquitetura de TI completamente atualizada e sempre pronta a corresponder às solicitações do negócio, pagando-se apenas o que se utiliza, não passam despercebidas aos gestores e muito menos aos responsáveis financeiros. A transformação de CAPEX em OPEX, que está implícita no modelo de consumo de recursos de TI de Infrastructure as a Service, é encarada pelos financeiros como uma variável de valor acrescentado na hora de fazer contas às despesas.

Na prática, o modelo OPEX é benéfico para as organizações, na medida em que permite ao financial manager sugerir a redução de custos a certa altura e aos gestores de TI reorientarem prioridades nesse sentido, sem comprometerem a operacionalidade do negócio. A cloud tem a flexibilidade como um dos seus grandes trunfos e esta flexibilidade agrada não só aos técnicos, como também aos financeiros e às administrações, que percebem melhor os benefícios económicos da cloud.

Eliminando a necessidade de investimentos em tecnologia e atualizações constantes, a cloud proporciona às empresas todos os recursos que são necessários para a operacionalização do negócio, eliminando das contas a parcela referente aos custos totais de propriedade (TCO) com a infraestrutura.

Das mais pequenas às maiores organizações, são muitos os gestores que reorientam as equipas de TI para estes modelos de computação que se destacam agilmente dos que incluem pesadas e onerosas infraestruturas tradicionais.

A disponibilidade de uma infraestrutura computacional, incluindo todos os recursos de processamento, armazenamento e rede (IaaS), afigura-se por isso uma opção, cada vez mais válida para os gestores que, em sintonia com os seus financial managers, desejam reduzir custos, sem comprometer os níveis de eficiência do negócio.

Existem vários tipos de serviços que podem ser adquiridos num modelo de Infrastructure as a Service, que vão desde as redes empresariais ou intranet ao housing de servidores ou sites, passando pelos centros de dados.

As vantagens do IaaS são inúmeras e o seu impacto financeiro pode ser medido no saldo de poupanças, que é talvez a face mais visível e mais publicitada deste modelo de consumo de recursos de TI mas não é o único. Há outras vantagens que marcam pontos nos roadmaps de investimento dos gestores:

  • Escalabilidade: os recursos de TI são disponibilizados de acordo com as necessidades da organização, que podem ser de expansão ou de redução de capacidade. Desta forma, evita-se o desperdício de recursos e responde-se em tempo útil a eventuais picos de utilização, sem custos imprevistos.
  • Simplificação: a gestão das TI fica mais simples, uma vez que o prestador do serviço assegura externamente todas as ocorrências relacionadas com a infraestrutura e com a sua disponibilidade e operacionalidade. Não há necessidade de contratação extra de recursos especializados.
  • Máximo foco no core business: no modelo Infrastructure as a Service, os recursos internos não necessitam gerir a infraestrutura de TI, podendo otimizar o seu tempo em função das necessidades do negócio e da sua expansão e inovação. Há uma maior concentração de recursos no alavancar do core business da empresa.
  • Independência: baseado na cloud, o IaaS está disponível à distância de uma ligação à internet. “A qualquer hora e em qualquer lugar” é o conceito de mobilidade que serve a infraestrutura da empresa neste modelo de consumo de recursos de TI. A infraestrutura está disponível sem interrupções.
  • Segurança: apesar de todas as reticências em relação à segurança da cloud, as probabilidades dizem que os riscos de downtime são muito mais propícios em infraestruturas on-premise do que em modelos baseados na nuvem. Ao contrário do que muitos fazem crer, segurança é um dos principais focos de investimento dos prestadores deste tipo de serviços e uma bandeira de fiabilidade inegável.

Em tempos de transformação digital, ter uma infraestrutura atual e que acompanhe a tendência da digitalização vale ouro nos planos de negócio dos gestores. Ser capaz de responder em tempo real às solicitações do mercado e inovar à velocidade que a concorrência nativa digital impõe, exige flexibilidade, disponibilidade e custos razoavelmente otimizados que permitam renovar os modelos de negócio.

Os prestadores de serviços são hoje aliados de valor acrescentado e parceiros de negócio estratégicos que mantêm oleada a máquina tecnológica que sustenta a competitividade e mantem na linha da frente as empresas que encararam os modelos de consumo de tecnologias baseados na cloud, quer sejam Infrastruture as a Service, Platform as a Service, ou, Software as a Service, como um garante de agilidade competitiva.