5 vantagens de apostar em disaster recovery as a service

29 Novembro, 2017
managed services
O que são managed services e o que pode a minha empresa ganhar com isso?
17 Novembro, 2017
cloud computing
Soluções de cloud computing: poupança, simplicidade e segurança
7 Dezembro, 2017
5 vantagens de apostar em disaster recovery as a service

Imagine-se no papel do Diretor Executivo de um negócio. Final de sexta-feira, fim-de-semana à porta, jantar marcado com amigos. Os colegas também comentam os planos: uns vão relaxar, outros aproveitar para passear e visitar a família. Chega sábado e está a meio do seu jogging matinal, como sempre faz aos sábados. Num repente, o seu smartphone toca. Do outro lado, um dos responsáveis do seu departamento TI está em pânico: um vírus fez o sistema entrar em falência, os dados dos clientes podem ser perdidos para sempre, todo o negócio está em risco. O que vai fazer? Este é um dos cenários que muitos gestores não querem sequer imaginar.

Imprevistos como este acontecem quando menos se espera e a sua empresa pode sofrer um golpe fatal, não apenas no desempenho de hoje, mas também nos objetivos traçados para amanhã. Como manter as agendas, as reuniões, os vários processos em curso numa situação desta gravidade?

A perda de informação crítica para o negócio provoca atrasos consideráveis nos tempos de resposta a clientes e, em última análise, a sua empresa pode perder competitividade num mercado que não admite qualquer falha, o que vai levar a perdas de receita, clientes e oportunidades de negócio. E, sabemos bem, a confiança é algo que dá muito trabalho a conquistar.

A solução passa pela proteção de dados, de forma a manter a competitividade da empresa no mercado, conseguindo regressar à atividade no mais curto espaço de tempo, porque, todos sabemos, que cada segundo em downtime implica prejuízo imediato e nenhuma empresa pode perder informação crítica para o negócio.

Atualmente, encontramos a resposta na implementação de soluções de disaster recovery as a service que tem vantagens imediatas para os negócios e gestão de recursos pelos IT Managers. Mas, afinal de contas, o que realmente significa tudo isto?

Tal como a designação indica, disaster recovery as a service é a garantia e capacidade que a sua empresa tem de voltar a realizar qualquer operação após ser confrontada com um desastre, no mais curto espaço de tempo e com o máximo controlo de danos. Tudo, numa tecnologia as a service, ou seja, em que apenas paga o serviço enquanto o utilizar, dispensando licenças, atualizações e outros custos fixos. São várias as vantagens de uma solução de disaster recovery as a service.

1. Resposta eficaz

As soluções de disaster recovery as a service são a ferramenta ideal para responder eficazmente ao problema enumerado acima, ou azares bem comuns, como a avaria do servidor físico ou um simples copo de água entornado em cima de um equipamento sensível, como um computador. Acima de tudo, apostar numa solução de disaster recovery as a service é prevenir este tipo de acidentes, assegurando a proteção da informação contida na infraestrutura de TI, o que pode incluir variáveis como backup de dados, gestão e recuperação de servidores, evitando deste modo perdas significativas para a continuidade do negócio.

2. Poupança de recursos

As soluções de disaster recovery as a service permitem uma poupança significativa dos recursos operacionais, evitando-se a renovação e manutenção do parque informático, garantindo paralelamente uma redução do espaço físico da empresa o que, inevitavelmente, tem duas vantagens imediatas: possibilidade de optar por uma melhor localização ou pela poupança efetiva de gastos mensais.

A opção pelas soluções de disaster recovery as a service oferecem também um conjunto de recursos de grande importância para empresas com um menor budget para investimento em TI, com uma solução vertical de servidores virtuais e criação do plano ideal de ação (cada caso é um caso), o que permite um aumento real da poupança e, paralelamente, uma redução significativa de recuperação em caso de qualquer anomalia.

3. Total flexibilidade

A flexibilização das soluções de disaster recovery as a service permite às empresas escolher os profissionais responsáveis para administrar os processos internos e, dessa forma, responder de forma eficaz e imediata à resolução de uma crise, seja por reforço operacional, como tecnológico, com alocação de recursos ideais sem qualquer perda de tempo.

4. Processos simplificados

O disaster recovery as a service apresenta uma configuração bastante simplificada e IT-Friendly, evitando recorrer a qualquer software específico, o que possibilita ter o sistema pronto numa questão de minutos. Para além de poupar recursos técnicos e humanos, a empresa pode contar com aplicações e serviços de terceiros que permitem o controlo total através de um simples smartphone.

5. Segurança reforçada

As tecnologias de virtualização estão a mudar a face do disaster recovery tradicional, permitindo um aumento das poupanças, para além de uma redução significativa nos tempos de recuperação em caso de anomalia ou acidente

Como saber qual a melhor solução para a sua empresa

Estas vantagens são inerentes ao facto de não ser necessário reconstruir todo o sistema informático, desde os servidores à instalação de software e aplicações dedicadas. Essa é a responsabilidade do serviço alocado e que, devido a estar num local diferente, facilita o retomar da normalidade num abrir e fechar de olhos.

Percebemos que a virtualização garante menor investimento, maior flexibilidade e poupança de custos. Mas, e a segurança de todo o sistema e processos? Antes de avançar com a criação de uma estratégia de disaster recovery, reúna a sua equipa TI para apresentar um caderno de encargos à empresa a contratar. A escolha do fornecedor certo é determinante para o sucesso de toda a operação de alteração, assim como a garantia de um serviço exemplar na manutenção de todo o sistema a longo prazo.

A Ar Telecom é especialista em soluções de disaster recovery as a service. Leia mais sobre este tema e subscreva o nosso blog ou contacte-nos.